Total de visualizações de página

Páginas

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Realizadores de Sonhos

Miss: Sonho de muitas jovens


Por Margarida Goldschimtd, Tatiane Moura e Taís Machado



Desejo de muitas meninas e opção de algumas, realizar o sonho de ser miss é a profissão do produtor Marcio Greff. Ele reside em São Luiz Gonzaga e começou a carreira de misseiro em 1993, auxiliando na produção dos concursos, além de atuar como colunista social no Jornal A Notícia




Marcio, através do projeto Novos Talentos, ministra aulas de passarela e postura, andamento, dicção e oratória, além de maquiagem e produção de moda para meninas a partir de cinco anos de toda a região.  A partir disso, escolhe as que se destacam para trabalhar, já com elas ostentando algum título de beleza, adequado ao perfil.  Segundo Marcio, seu maior papel é auxiliar as candidatas: “Elas ganham experiência em concurso, e eu as preparo para concorrer em nível estadual”.


Como não há uma idade limite para os concursos, algumas meninas começam bem jovens a concorrer. No concurso Beleza Gaúcha, idealizado por Greff e etapa estadual para o Miss Terra, a escolhida na categoria “Baby” tinha apenas um ano. Assim, o trabalho de Greff envolve tanto o psicológico quanto aulas de etiqueta: “Temos de entender e compreender cada menina individualmente, com suas pretensões e frustrações. Como o concurso permite que haja apenas uma vencedora em cada categoria, é preciso trabalhar o lado emocional das candidatas, ressaltando o principal: o importante é competir!”


Em razão disso, o promotor salienta que a relação entre ele e suas candidatas se consolida, a ponto de torná-las como referência em eventos futuros: “Há meninas que estão comigo a sete, oito anos. Além de uma boa amizade, a experiência nas passarelas irá refletir significativamente em seus desempenhos quando em concursos de beleza; assim, é importante manter a boa relação entre o promotor e as candidatas. Para mim, cada menina que promovo em concursos é como se fosse mais um tijolo na construção de minha reputação como promotor de eventos”.


sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Colocando a teoria em prática

Por Vanessa Bruinsma, Patricia Kuhn e Leonardo Fabrim

A teoria é necessária, mas importante mesmo para os alunos é a produção, o momento de colocar a mão na massa e mostrar os conhecimentos. Ir em direção a realidade fora de sala de aula é um passo importante para a construção do futuro profissional da área de jornalismo.


Emerson Scheis, Genaro Caetano, Pâmela de Moraes
e Katiuze Brill apresentaram o programa
         na rádio São Luiz, de São Luiz Gonzaga.
Créditos: Margarida Goldschmidt 
Com concentração na produção, o curso de Comunicação Social da Unijuí, após uma reformulação do currículo está focado em preparar profissionais para o mercado de trabalho. Com essa mudança, a partir do 6º semestre os alunos vivenciam as cadeiras de produções técnicas. Entre essas produções está a produção de áudio I, na qual 18 alunos apresentaram um programa de rádio, ao vivo. A proposta do curso é de que os alunos sejam profissionais multimídias, sabendo trabalhar em todas as áreas, como, texto, áudio, vídeo, foto. A teoria na prática é uma maneira de aproximar os estudantes do mercado de trabalho.
                                                                    
A disciplina de produção de áudio I, ministrada pela professora Vera Raddatz visa à produção jornalística sonora voltada para as diferentes mídias. Para isso a professora faz uma relação entre os fundamentos da linguagem em áudio com os diversos suportes jornalísticos, voltados para a produção multimídia. Dessa maneira o acadêmico apresenta contato com suportes tradicionais e os novos meios, buscando a excelência em ambos.

Durante todo segundo semestre de 2011 os alunos de produção de áudio buscaram conhecimentos nas mais variadas áreas voltada às mídias sonoras. Todos os trabalhos realizados tiveram o intuito de colocar a teoria em prática. Como avaliação final da disciplina e também para testar o conhecimento dos alunos, a professora Vera Raddatz, desafiou os acadêmicos a realizar um programa de rádio, ao vivo.

Os alunos receberam o desafio como oportunidade para colocar em prática os conhecimentos e também para vivenciar a profissão, aproveitando também essa oportunidade para aprimorar as experiências. Distribuídos em várias emissoras da região, os alunos criaram seu próprio programa, organizando roteiro, entrevistas, sonoras, notas, tudo organizado em uma hora de programa.

Para a aluna de jornalismo, Pâmela Andrade de Moraes, que apresentou seu programa na rádio São Luiz, de São Luiz Gonzaga, ter a teoria em sala de aula é importante, mas mais valido é poder vivenciar a realidade do mercado de trabalho. “Acredito que a teoria é muito importante, mas é necessária a complementação com a prática. Realizar um programa, ao vivo, dentro de uma emissora conceituada, é muita responsabilidade. Chega aquele momento em que não se pode fugir e também não há oportunidade para erros. As pessoas estão escutando você, elas estão sedentas por informação e o mínimo que você pode fazer é passar para elas essa informação da melhor maneira possível e com qualidade. Essa experiência valeu muito, pois faz com que os estudantes de comunicação estejam inseridos dentro do mercado de trabalho, vivenciando a nossa possível realidade”, comenta a acadêmica Pâmela.


Tais Machado e Luana Costa
apresentaram o programa na rádio web, Canes.
Créditos: Douglas Dorneles da Rosa

De acordo com a aluna, Tais Machado, que apresentou o programa na Rádio Canes, uma rádio web de Ijuí, apresentar um programa ao vivo é uma grande responsabilidade, pois as pessoas estão acompanhando o trabalho e ao mesmo tempo vão perceber as falhas. “A experiência foi bem interessante. A oportunidade foi muito valida para a vida profissional. A tarefa e a responsabilidade de apresentar um programa ao vivo são importantes, pois assim temos o contato e a vivencia da profissão na área radiofônica”, explica a estudante de jornalismo, Tais.

A ideia do curso de Comunicação Social da Unijuí, principalmente na habilitação jornalismo, é de que as disciplinas de produção façam com que os alunos se sintam inseridos no mercado de trabalho, aproximando assim, a futura realidade a ser vivenciada. Dessa forma, os semestres de teorias em sala de aula vão sendo deixados de lado para então dar espaço para os semestres de produções, no qual o foco é nas práticas.

Patrono da Feira do Livro de Ijuí Sady Strapazzon deixa memória em livro


A cidade de Ijuí está de luto oficial, declarado pelo atual prefeito municipal, em virtude da morte de Sady Strapazzon, ex prefeito do município de Ijuí e patrono da última edição da Feira do Livro. Lançada oficialmente no mês de setembro a 22ª Feira do Livro Infantil do Sesc e a 19ª Feira do Livro de Ijuí aconteceram simultaneamente no mês de novembro aqui em Ijuí.
O ex prefeito Sady Strapazon, foi escolhido pela coordenadoria de cultura do município, em conjunto com o Poder Executivo para ser o patrono da Feira do Livro deste ano. Conforme palavras de Sady, em entrevista feita algumas semanas antes de sua internação hospitalar, para ele o convite se deu pela identificação com o tema do evento, já que se considera um conhecedor da história de Ijuí, incluindo desde fatos pitorescos a trajetória política do município.
Inserida na programação, Sady Strapazon anunciou, dias antes o lançamento de um livro de sua autoria. Visando contar a história de sua família, desde a saída de seu avô da Itália rumo ao Brasil, até os dias atuais a obra foi organizada com base em arquivos que o próprio autor guardou ao longo dos anos.


Por Lahis Welter e Marizandra Rutilli

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Time de São Luiz termina temporada como a 4ª melhor equipe do RS



O ano de 2011 foi especial para a Associação Grande São Luiz (AGSL), time de futsal de São Luiz Gonzaga, que competiu no Campeonato Gaúcho de Futsal Série Ouro (primeira divisão), finalizando a disputa com a 4ª melhor campanha na classificação geral entre as 12 equipes concorrentes.


A AGSL encerrou a sua participação no Estadual após a disputa pela vaga para a final do segundo turno, contra a atual campeã gaúcha ACBF, no dia 27 de outubro. A ACBF passou pelo time são-luiznese e após se sagrou campeã do turno com vitória sobre o Atlântico de Erechim.

O resultado foi bastante satisfatório para a diretoria da AGSL pelo fato de a equipe, ainda em 2010, estar figurando na Série Prata (segunda divisão) do Estadual, quando se sagrou campeã pela 3ª vez.

Tricampeã da Série Prata (2001, 2009 e 2010), fundada em 1998, a AGSL chegou a disputar a primeira divisão do futsal em 2002 e 2003, porém, os resultados obtidos foram nada comparados ao que a equipe apresentou neste ano de 2011.


REPRESENTAÇÃO REGIONAL – além de estar disputando a Série Ouro, a AGSL também se destaca pelo fato de ser o único time representante da Região das Missões do RS no Campeonato Estadual.

CAMPEONATO – o primeiro e segundo turno do Campeonato Gaúcho já se encerraram, porém, apesar de já serem conhecidas as melhores equipes da competição e a ACBF de Carlos Barbosa ter sido a campeã no primeiro e segundo turno, o título definitivo ainda será disputado, entre quatro equipes, no decorrer das últimas semanas do ano.


Mesmo tendo terminado com a 4ª melhor campanha, a AGSL não participará desta semifinal definitiva, pois o critério divulgado pela Federação Gaúcha de Futsal foi de que se classificariam para as semifinais apenas o campeão e vice de cada turno.


A ACBF (1º na classificação geral), campeã dos dois turnos, fez a final do primeiro turno com o BGF, de Bento Gonçalves (que terminou em 6º na geral) e Atlântico, de Erechim (2º). A quarta vaga ficou para a Assoeva, de Venâncio Aires, que acabou os dois turnos com a 3ª melhor campanha.


PRÓXIMO ANO – já pensando em 2012, a diretoria da AGSL começou a se reunir com patrocinadores e parceiros para organizar a campanha da próxima temporada. As expectativas são todas positivas, para que, novamente, a AGSL siga representando São Luiz e Região na Elite do Futsal Gaúcho.



Por Emerson Scheis, Genaro Caetano e Murian Cesca

domingo, 30 de outubro de 2011

Primavera: flores e espirros


Estação do amor, a primavera iniciou no dia 23 de setembro. Considerado por muitos como o mais belo período do ano, esse é momento em que as plantas florescem e espalham o seu inconfundível perfume pelos jardins e bosques das cidades. Mas aí está o problema segundo a especialista em alergias e imunologia, Érica Ferreira Romano: “A polinização de diversas plantas nesse período afeta o sistema imunológico de algumas pessoas, pois reage de forma exagerada diante da presença dessa substância”.
Tendo rinite alérgica, sinusite e um princípio de asma, desde os seis anos a estudante de Comunicação Social, Michelle Tjäder, conhece muito bem o assunto. Com o fim do inverno, espirros e coceiras são frequentes para Michelle: “Espirro milhares de vezes, durante o dia, não consigo dormir direito devido ao entupimento do nariz e uma coceira irritante na garganta”.

Explicação
Apesar de ser um caso mais grave, a alergia de Michelle não é incomum, uma em cada sete pessoas sofre de rinite alérgica e tem seus sintomas intensificados na primavera, de acordo com a Doutora Érica. No entanto o problema acontece devido ao nascimento de diversas gramíneas, que florescem e o vento característico dessa estação espalha o pólen. “É comum ouvirmos as pessoas falarem que os Ipês e outras tantas árvores são os causadores dessa hipersensibilidade imunológica, mas é errado afirmar isso. Essas árvores também têm sua culpa, mas a maior é das gramíneas, esses matos aparentemente inocentes que existem em todos os lugares”, afirma a especialista.

Estação mais bonita
A estudante de Estética e Cosmetologia da Unijuí, Nicole Krieger, é uma das poucas pessoas de sorte que não sofrem gravemente com a primavera. Com uma rinite alérgica com sintomas de menor intensidade, a jovem diz adorar a estação. “Tenho uma alergia comum, nada que me impeça de aproveitar a estação linda que é a primavera. Essa é a estação na qual nascem as flores, e deixam a cidade mais bonita, colorida e cheirosa, fico feliz em poder aproveitá-la”, garante. A estudante explica ser apaixonada pela primavera: “Não é muito quente, nem muito frio, estação meio termo, o dia volta a ficar mais longo, a disposição aumenta. Prefiro a primavera ao outono, já que nela saímos de uma condição fria para um calorzinho”. A jovem Michelle com todos os motivos para não gostar da estação afirma: “Apesar de tudo eu acho a primavera uma estação muito bonita, pena que ela me faça sofrer”.
Para se prevenir contra as alergias consulte o Boletim Polínico para saber as concentrações dos polens no ar. Confira aqui outras dicas de prevenção.



quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Segunda edição da Rocktoberfest encanta roqueiros de Ijuí

Por: Alécio Baroni, Suélen Kommers e Talita Mazzola
Público vibrou ao som das bandas Beers Band, Decoders e Excellence
Rockeiros agitaram ao som de Beer's Band
Público empolga-se ao som contagiante das guitarras elétricas
O dia 1º de outubro foi marcado com uma incrível atração para os amantes do Rock. A tradicional Octoberfest, marcada pelas músicas alemãs e o chopp assumiu um novo caráter no município de Ijuí. Pela segunda vez, um grupo de amigos que integra o Rockijuí.com realizou a Rocktoberfest, que é um misto de rock and roll regado a muito chopp. 
A festa, que aconteceu na Estação da Mata, reuniu dezenas de pessoas que aproveitaram a noite regada a Chopp ao som de Beers Band, Decoders e Excellence. A atitude dos organizadores foi parabenizada pelos presentes que afirmaram estar na expectativa da 3ª edição do evento. (Confira o depoimento do público sobre o evento)
Excellence foi uma das bandas mais esperadas da notie
A ideia surgiu durante a Expoijuí 2008, onde há bailes com música típica e características alemãs. “Pensando em fazer algo parecido, inspirado nas tradicionais Oktoberfests, mas embalado pelo rock 'n' roll, surgiu o nome Rocktoberfest. Conseguimos realizar a primeira edição em 1º de outubro de 2010, na Affi, com apresentações de bandas e Djs. Em 2011 tivemos a segunda edição na Estação da Mata”, frisou Rafael Librenz, um dos idealizadores do evento. 
Banda Decoders agradou com rock de qualidade
O nome Rocktoberfest é atrativo, pois une a ideia do rock com festa, o que diferencia das festas tradicionais, geralmente embaladas por outros estilos musicais, e também diferencia dos festivais de rock, que geralmente são eventos concentrados em shows, onde não se passa a ideia de "balada". Mas, segundo Rafael, o sucesso só foi possível com muito trabalho e na concentração pela busca da qualidade, desde a seleção das bandas que iriam se apresentar até a estrutura para o público, incluindo serviços de copa, segurança, sonorização e iluminação, e, principalmente esse ano, com a escolha da casa para a realização do evento. 

Festa se consolidou como evento tradicional da cidade
Quanto a previsão de uma 3ª edição do evento, os organizadores ressaltam que para outubro de 2012 será trabalhada a ideia para que possa acontecer uma festa maior e melhor, efetivando a Rocktoberfest como um evento tradicional do município.

(Confira todas as fotos da festa)


sábado, 8 de outubro de 2011

Santa Rosa democratiza a Sétima Arte

Por: Andressa Streicher, Deisi Fabrim e Lisiane Sackis


Quem não teve a oportunidade de prestigiar, neste ano, o 39º Festival de Cinema de Gramado pode apreciar no 3º Santa Rosa Mostra Gramado, semana passada (28, 29 e 30), alguns filmes premiados no Festival. Além da Mostra, os santa-rosenses foram presenteados com o 1° Festival de Cinema e Vídeo de Santa Rosa – 80 anos de curtas-metragens.

Mostra Gramado

A Mostra exibiu três filmes vencedores em Gramado: “O Carteiro” , premiado com a melhor fotografia; o longa-metragem “Riscado”, vencedor das categorias melhor diretor, atriz, roteiro e trilha musical; e o longa “Uma longa viagem”, grande vencedor de Gramado. Foram exibidos também filmes convidados, entre eles duas produções locais, “Os Desbravadores”, de Ânderson Farias e “Esporte Club Guarani – 50 anos de Glória por Adico Tolazi”.




O Secretário da Cultura de Santa Rosa, Ângelo Zeni destacou que a exibição de filmes recém premiados, ainda nem mesmo vistos em grandes capitais, valoriza o cinema no município. “Isso nos remete para um desafio maior, é consolidar este projeto e continuar lutando para que o cinema volte a ser uma atividade frequentada pela população”.






O primeiro Festival de Cinema

O Festival de Cinema e Vídeo de Santa Rosa contou com a inscrição de 43 obras de vários lugares do Brasil. Destas foram selecionadas 13 na categoria livre e seis na categoria estudantil para concorrer ao Prêmio.


O secretário da cultura salienta que a participação de obras de vários lugares do estado, do Brasil e fora dele valoriza o evento, prova que é possível sim fazer cinema aqui e não somente em grandes cidades. Além da valorização dada pelo público que está participando, de atores e diretores. “Para nós o cinema é uma atividade de inserção social”.

A criação do primeiro Festival de Cinema de Santa Rosa surge com o objetivo de democratizar ainda mais a sétima arte no município e região. Oportunidade de artistas mostrarem seu trabalho e de a população poder curtir as obras gratuitamente, sem precisar se deslocar a grandes centros.

A premiação

Os vencedores do 1º Festival foram conhecidos na última noite do evento. Teve premiação para melhor filme, roteiro, ator, atriz e diretor nas categorias livre e estudantil.


Confira os vencedores:

Categoria Estudantil

Melhor atriz: Valesca Linauer – Aurora – Santa Rosa
Melhor ator: Vítor Hugo Bigolin – Encontro Adiado – Três de Maio
Melhor roteiro: Keli Demo Christ – Encontro Adiado - Três de Maio
Melhor diretor: Gabriela Machado – O que é isso companheiro? - Santa Rosa
Melhor filme: Encontro Adiado – Três de Maio

Categoria livre

Melhor atriz – Rafaela Cassol – Sangue e Goma – Porto Alegre
Melhor ator – Felipe de Paula – Corneteiro não se mata – Porto Alegre
Melhor roteiro: Abel Roland – O cão – Porto Alegre
Melhor diretor: Pablo Müller – Corneteiro não se mata – Porto Alegre
Melhor filme: Corneteiro não se mata – Porto Alegre
Menção Honrosa: Silêncio, por favor

Confira a matéria de encerramento do Festival e da Mostra Gramado, exibido na RBS TV Santa Rosa:



video


Os vencedores receberam o troféu Semeador, nome escolhido em uma promoção do Clic RBS de Santa Rosa. O ganhador da sugestão Eliseu Holz foi homenageado durante a noite com um troféu e uma tela com a imagem de um Semeador.

Liege Nardi, coordenadora executiva do Festival de Gramado comentou que: " A cidade é muito guerreira, o povo é muito batalhador, tem cultura na raiz, só tem que estimular mais a cultura do audiovisual. Porque é uma cidade feita de cultura, aqui tem coisas que muitas vezes não encontramos em cidades mais próximas de capitais”.

Também estiveram presentes no evento, o ator Leonardo Machado que participou do Júri, a atriz Fernanda Moro e o ator Marcos Verza como mestres de cerimônia. E ainda o ator porto alegrense, Evandro Elias.

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Ijuí foi capital da Arte Gaúcha

Por: Gislaine Windmöller, Daniele Santos e Kassieli de Mello


CTG Tropeiro Velho
Foto: Gislaine Windmöller

Para quem participa de um CTG, não é apenas em setembro que as pilchas saem do roupeiro. Muitas pessoas perguntam: por que ensaiar tanto para dançar só na semana farroupilha? Mas a maior parte dos grupos se dedica para um grande evento: o Encontro de Arte e Tradição Gaúcha – Enart, que aconteceu no último final de semana, em Ijuí.
É pelos 20 minutos que passam em um tablado que os integrantes das invernadas ensaiam exaustivamente, pelo amor a tradição e pelo gosto pela dança. O evento também divulga a tradição gaúcha através da chula, intérpretes solistas vocais, gaita e violão, modalidades presentes na competição.
         O Enart é considerado pela Unesco o maior festival de arte amadora da América Latina. Promovido pelo Movimento Tradicionalista Gaúcho – MTG –, é dividido em três etapas: regionais (realizadas dentro de cada região tradicionalista), inter-regionais e a grande final. A última etapa acontece sempre em Santa Cruz do Sul e as outras duas são escolhidas todos os anos pelas coordenadorias regionais.
CTG Gaspar da Silveira Martins
Foto: Gislaine Windmöller
         Pela primeira vez em 26 anos, a inter-regional do Enart foi realizada em Ijuí.  Cerca de dois mil participantes se mobilizaram para as competições, realizadas no Ginásio Municipal Wilson Manica, CTG Chaleira Preta, na sede do Grupo Folclórico Fogo de Chão e nos auditórios do DEMEI (Departamento Municipal de Energia) e da escola IMEAB (Instituto Municipal de Ensino Assis Brasil).
         Da inter-regional disputada, participaram 17 grupos pela Força A e 22 pela Força B. Classificaram-se oito grupos de cada categoria que irão disputar a final em Santa Cruz do Sul nos dias 18, 19 e 20 de novembro.
         O evento atraiu visitantes de várias cidades do estado e, inclusive, de fora, reforçando que a tradição gaúcha aproxima e integra as pessoas. Por isso, a cidade de Ijuí foi, por dois dias, considerada a capital da Arte Gaúcha.





Integração dos dançarinos
Foto: Rosane Barbian
Aldeia dos Anjos: o maior campeão do Enart
A invernada adulta do CTG Aldeia dos Anjos conquistou por dez vezes o título de campeã do estado em danças tradicionais gaúchas. A história do grupo começou no antigo Fegart (atual Enart) e hoje é modelo para outras invernadas.
Representou o município, o estado e o país em vários festivais internacionais promovidos pelo CIOF (Conselho Internacional dos Festivais de Folclore) e conquistou inúmeros rodeios nacionais e internacionais.
Além de ser decacampeão estadual na categoria adulta, é também tetracampeão estadual mirim, campeão estadual juvenil e tricampeão estadual xirú.
Dessa forma, em 1° de junho de 2006, o CTG Aldeia dos Anjos foi tombado como patrimônio histórico cultural do Estado do Rio Grande do Sul, conforme lei n° 12.518, sendo exemplo na divulgação das tradições gaúchas através das suas atividades artísticas e culturais.

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Realizadores de Sonhos



Transformando o sonho cada vez mais concreto e real








O Designer Couture Lauro Lohmann trabalha com noivas há 14 anos, foi professor e hoje possui seu próprio atelier. Sua tarefa é interpretar os sonhos e desejos de muitas mulheres


Compartilhar o brilho nos olhos, as lágrimas de felicidade, receber abraços, sorrisos sinceros e muitos agradecimentos ao final. Essa é a rotina do Designer Couture Lauro Lohmann. Ele trabalha com noivas há 14 anos, possui vasta experiência no mercado da moda como estilista de alta costura. Foi professor do curso técnico de Design de Moda da Setrem (Sociedade educacional Três de Maio) e hoje tem o seu próprio ateliê de Alta Costura, a Maison Poison, fundada em março de 2008. O ateliê trabalha com a criação e confecção de vestidos exclusivos. 



 “Eu sempre quis trabalhar com isso, achava muito especial fazer parte desse momento, dessa atmosfera de felicidade e de fantasia”, comenta o Designer. Segundo ele, o casamento é o único momento na vida de uma mulher que existe a fantasia da princesa, do vestido glamoroso, onde o sonho deixa de ser apenas uma ilusão e torna-se realidade. 





O estilista busca inspiração nas tendências de moda, nas grandes marcas, desfiles de alta costura, livros e filmes. Mas para Lauro, o mais importante é ouvir a cliente, como ele salienta, têm noivas que querem se sentir uma rainha, outras preferem uma princesa dos contos de fadas ou uma diva de Hollywood. “Qualquer coisa pode me inspirar. Eu posso estar olhando para você agora e me inspirar numa folha de outono. Olhar para você e do nada partir uma inspiração e te ver dentro de um vestido. Quando há uma química entre o cliente e o criador é possível transpor aquilo que está na mente para o papel”, ressalta. 

Transmitir sensibilidade, segurança e tornar o que a mulher sempre sonhou em realidade é a grande alegria de Lauro Lohmann. 






video


Hoje com a grande utilização da internet e de outras mídias, as noivas têm mais condições de pesquisas de moda e isso faz com que elas já tenham conhecimento. Muitas vezes já vão com um modelo idealizado para o atelier de Lohmann. As tendências influenciam também na escolha. Atualmente as mais fortes é o romantismo, Lauro diz que os modelos de renda são os mais requisitados. “Existe certo equilíbrio entre noivas que gostam de mostrar o corpo, uma silhueta mais modelada, vestido sereia. E as noivas que gostam mais do modelo tradicional, rodado, um vestido de princesa como eu costumo chamar, esses são modelos que mais fazem parte do sonho das mulheres”, explica. 



Lauro Lohmann não tem só o imenso talento de desenhar, criar e construir. Ele faz mais que realizar sonhos. O que ele tem é um verdadeiro dom. Dom de alegrar, de realizar, de surpreender, dom de trazer beleza e elegância. Enfim, ele tem o dom de trazer felicidade às mulheres. 



“Na moda tudo é possível! Não existem limites para tornar qualquer sonho em realidade! A partir do momento que você está aberto a isso as melhores coisas acontecem.” 

Designer Couture- Lauro Lohmann 


Realizadores de Sonhos

Sonhos fazem parte da vida do ser humano. Eles aparecem quando dormimos, mas sonhos também podem significar objetivos que queremos alcançar. Existem aqueles que sonham com objetos materiais, outros esperam a realização profissional, porém aqui neste espaço contaremos a história de quem faz mais.
Na série Realizadores de Sonhos você irá conhecer aqueles que transformam sonhos em realidade, em diversas áreas, como moda, música, esporte e cultura.
Quantas pessoas você conhece que realizam sonhos?

Expo São Luiz leva 60 mil pessoas ao Parque de Exposições

Sessenta mil pessoas estiveram no Parque de Exposições do Sindicato Rural de São Luiz Gonzaga durante a Expo São Luiz 2011, que ocorreu de 29 de setembro a 2 de outubro. O evento contou com a visita do governador do Estado, Tarso Genro, e seu vice, Beto Grill.

O presidente da Expo São Luiz 2011, Amauri Feron, destacou que o número de visitantes superou as expectativas iniciais de repetir o público da edição 2009, que totalizou 40 mil pessoas. A próxima exposição acontecerá em 2013 e o novo presidente, José Antônio Flach Werle começará ainda no próximo mês a organizar os preparativos do evento.




A avaliação positiva da Expo 2011 não ficou restrita aos organizadores. O expositor Jorge Hartamann disse que o interesse na feira, inicialmente, era de apenas mostrar sua marca e fazer contatos, mas também realizou a comercialização de alguns produtos. “Eu não imaginava que iria vender na Expo, achei que apenas ia adquirir novos contatos e passar orçamentos pra negócio futuros, mas acabou que fechei a venda aqui mesmo. Isso é muito bom pra todos empresários que expõe na feira”.

A diversificada programação da feira envolveu a comunidade da região. Entre as atrações musicais o destaque ficou por conta dos shows de Luiz Carlos Borges e convidados, Maria Cecília e Rodolfo, Leonardo, Xiru Missioneiro, Thiago e Tardeli e Os Serranos.


Luana Costa, Katiúze Brill e Mariana Rick



FEIRA DO LIVRO

A 19ª Feira do Livro de Ijuí já tem a data definida para sua realização. Com o tema "Ijuí, 100 anos contando histórias", em alusão ao centenário do município, irá acontecer na semana de 09 a 13 de novembro. A programação é diversificada e conta com um passeios temáticos, concurso literário, dentre outras atrações culturais.
O patrono da feira deste ano será o ex-prefeito de Ijuí Sady Strapazon. Ele está escrevendo um livro que conta a história de sua família, desde a saída de seu avô da Itália rumo ao Brasil, até os dias atuais. Strapazon se identifica com o tema da Feira do Livro porque é um conhecedor da história de Ijuí, de fatos pitorescos a trajetória política do município. “Sou muito procurado pelas escolas e universidades para contar histórias aos estudantes”.
O patrono de uma Feira do Livro é escolhido por ter se destacado junto à comunidade local devido as suas produções literárias, artísticas e culturais. Dentre os personagens que já foram homenageados em feiras do livro no Brasil podemos destacar os ilustres Erico Veríssimo e Mario Quintana, Caldas júnior, Larry Wizniewsky e Ruy Carlos Ostermann dentre muitos outros notáveis.
Em Cruz Alta, durante a Feira do Livro deste ano, ocorrida em agosto, o homenageado foi o escritor e pesquisador Rossano Viero Cavalari. Nascido em Santiago, Cruz-altense por adoção desde a década de 70, ficando conhecido, inicialmente, pelo seu trabalho como radialista e como premiado compositor nativista. Sua obra conta com três livros publicados “O Ninho do Pica paus”, “A Gênese de Cruz Alta” e “Os olhos do General” todos relacionados com sua pesquisa sobre a história da cidade. Na feira do livro ele lançou, o que ele classificou como um “projeto maluco”, o “Dicionário Histórico e Ilustrado de Cruz Alta” e promoveu a 3ª Visita Orientada (foto com o megafone) aos pontos turísticos e históricos da cidade onde os participantes tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais da história de Cruz Alta andando por locais onde ela efetivamente aconteceu. “Esta obra contém biografias, expressões e termos populares, fatos, documentos, comércio, indústria, ruas, logradouros, sociedade, cultura, economia, revoluções, geografia, educação, tradição, história e tantas outras áreas que foram extraídas das entrelinhas e transformadas em verbetes para o gosto do leitor. Apesar de não ter nascido aqui adotei o município de Cruz Alta e é com grande satisfação que cumprimos uma função de contar um pouco da história da cidade”, conta o autor.
A História
Na metade do Século XX, em São Paulo-SP foi fundada, por várias editoras, uma entidade representativa chamada Câmara Brasileira do Livro (CBL). Num momento de efervescência cultural, vários editores demonstraram a preocupação de “deselitizar” o livro. E nada melhor do que uma feira popular com preços acessíveis a toda população. Com o slogan “Livro, presente de amigo”, na campanha publicitária, a CBL iniciou uma serie de eventos que buscavam promover as produções escritas do Brasil e distribuir lançamentos estrangeiros. Nascia assim a primeira Feira Popular do Livro no Brasil em 1951.
A partir daí esse evento ganhou outras proporções e foram fundadas outras feiras em diversas cidades brasileiras. Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Passo Fundo, Curitiba etc. Com o apoio de entidades governamentais, editoras, livrarias e “sebos” esse evento cresceu em tamanho e importância. Hoje um dos eventos mais populares em Porto Alegre-RS , por exemplo, é sem duvida a Feira do Livro (desde 1955) que é acompanhada de outras manifestações culturais como música, teatro, brincadeiras e filmes.

Daniel Ndala, Juliano Schmechel e Marcos Oliveski

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

RP, tá sabendo legal? Conhecendo Relações Públicas

Nos dias 29 e 30 de setembro de 2011 acontece a divulgação da Campanha promocional “RP, tá sabendo legal? - Conhecendo Relações Públicas”, nos turnos manhã, tarde e noite aproveitando o Profissional do Futuro, da Unijuí, no campus Ijuí. Campanha essa que foi planejada e desenvolvida pelas acadêmicas de relações públicas juntamente com a Agência Experimental Usina de Ideias.  
O trabalho visa divulgar a habilitação de Relações Públicas do curso de Comunicação Social, promover a interação de profissionais de RP com os participantes da Campanha, além de proporcionar mais visibilidade e entendimento de aspectos que norteiam a área.
A ideia é mostrar as funções da área de Relações Públicas, para o público-alvo, que são alunos do ensino médio que estão em fase de amadurecimento e escolhas profissionais.

        RP, tá sabendo legal?
       Se a sua resposta é não ou você acredita que pode descobrir algo a mais, visite o espaço Lounge, onde estão sendo divulgados aspectos importantes sobre a área de RP, no Hall da Biblioteca, no Campus Ijuí.

sábado, 24 de setembro de 2011

Rádio na Escola: a conexão do futuro

Projeto já implantou nove rádios durante os quatro anos de criação
Professora Vera em orientação para alunos e professores
Desenvolver habilidades de comunicação, a autoestima, instinto de liderança e iniciativa. Quantas pessoas não gostariam de ter essa oportunidade?  Essa é a realidade vivida por crianças e adolescentes de nove escolas do município de Ijuí que através do Projeto Rádio na Escola conhecem o processo de produção e edição, além de entender a recepção de mensagens e os conteúdos produzidos pelos diferentes meios a partir do rádio. O projeto de extensão, que faz parte do curso de Comunicação Social da Unijuí, existe desde 2008 e é orientado pela professora Vera Raddatz.
Segundo ela, inicialmente o projeto foi implantado em escolas da rede estadual de ensino, tendo a primeira escola municipal engajada ao projeto no primeiro semestre deste ano. Vera explica que além das inúmeras habilidades desenvolvidas ao decorrer do processo de implantação da rádio, eles desenvolvem também uma qualidade muito importante que é a responsabilidade com os assuntos da rádio, além de aprender a lidar com as diferenças de ideias que acontecem nas discussões de pautas.
Para operacionalizar o uso da Rádio, alunos e professores são capacitados através de oficinas de capacitação e tem seu desenvolvimento acompanhado pelo Núcleo de Tecnologia da Educação (NTE) de Ijuí e pela monitora do projeto. Os programas desenvolvidos pelos alunos vão ao ar na hora do intervalo das aulas e são planejados, organizados e produzidos pelos alunos com a coordenação de um professor, conforme explica a bolsista do projeto, Daniele Santos (confira a entrevista sobre o processo de desenvolvimento do projeto na íntegra). A programação varia entre notícias, reportagens, músicas, entrevistas, dicas, rádio teatro, entre outros, sempre partindo das atividades desenvolvidas em sala de aula.
Alunos colocando em prática exercícios aprendidos
A professora Sonilda da Silva, coordenadora do projeto no Colégio Modelo, que iniciou em 2010, ressalta a importância da realização de atividades como essas especialmente para a divulgação dos eventos da escola. “A criação da rádio foi benéfica para os alunos e a comunidade escolar em geral, pois criamos um espaço de comunicação para divulgar nossas próprias atividades e eventos”, diz. Ela também cita a evolução dos alunos na fala, escrita e na formação como leitores, além de se adaptarem ao uso correto da internet e as ferramentas de pesquisa.
Já a professora Simoni Friederich, diretora do Instituto Municipal de Ensino Assis Brasil, onde foi criada, no início deste ano, a Rádio Mandio, que une alunos do Ensino Fundamental e Médio que precisam trabalhar em conjunto para elaboração da programação da rádio. “O projeto ajudou muito nossa escolas, especialmente nos eventos que realizamos. Há algumas semanas, fizemos o Dia da Família na Escola e a Rádio Mandio transmitiu toda programação para os alunos durante os dois turnos em que ocorreu o evento”, explica e salienta: “isso só foi possível através do projeto que também beneficiou a formação pessoal de nossos alunos”.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Sob nova direção


Márcio Granez é o novo coordenador do curso de Comunicação Social


Dezesseis anos de Comunicação e as transformações são permanentes. A reformulação do currículo e a reestruturação do departamento dão as boas-vindas ao novo coordenador do curso de Comunicação Social. Márcio Granez, jornalista graduado e mestre pela UFSM, coordena o curso da Unijuí a partir do mês de agosto. A escolha foi feita pelo colegiado e tem duração de três anos.

De publicidade para jornalismo, a coordenação do curso, durante dois anos, foi de Nilse Maldaner que ao final de seu mandato passa para Granez. “É uma satisfação muito grande poder contar com a indicação dos colegas. Foi um processo maduro e democrático num momento de grande importância para o curso, tendo em vista mudanças recentes como a reestruturação dos departamentos da Unijuí”, explica o professor. Para conhecer um pouco mais sobre o cargo confira aqui.

Não é a primeira vez que o curso é coordenado por Granez. No final da década de 90, um pouco depois de chegar à Universidade, as decisões da comunicação passaram pelo professor. Granez iniciou sua carreira na Unijuí em 1997 e atualmente ministra os componentes curriculares de Redação I e II e Produção de Texto, além de Fundamentos do Jornalismo, Português Aplicado à Comunicação e Jornalismo Especializado.

A meta central do mandato do professor será a implantação do currículo estruturado em 2010, bem como o diálogo com o corpo docente na nova estrutura departamental: “Há também uma série de ações que visam a estreitar os laços com o mercado de trabalho regional, uma das marcas do novo currículo do curso”, explica. Ainda de acordo com Granez, a intenção é dar continuidade ao trabalho que vem sendo feito pelas gestões anteriores.

Durante a aula de Português Aplicado à Comunicação, na semana passada, os alunos fizeram uma surpresa para o professor: “Soubemos que ele tinha sido escolhido como coordenador, então quisemos fazer uma festinha para comemorar o novo cargo”, explica a estudante de jornalismo Raíza Borba. A comemoração ocorreu em sala de aula e o professor ficou emocionado: “Foi uma surpresa e tanto. Jamais poderia imaginar que o pessoal faria uma festa de comemoração. Salientei à turma que é importante mantermos o clima de cordialidade e diálogo que sempre marcou o curso de Comunicação Social”.

O novo coordenador fará o atendimento dos alunos em sua sala no Dacec, segundo ele, a princípio em uma parte da tarde de quinta-feira e noites alternadas do mesmo dia. Os detalhes serão divulgados nos próximos dias. Para conhecer um pouco mais do trabalho professor Márcio Granez confira seu Currículo Lattes.



quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Tec-e-inova: integração de conhecimento e inovação




Desenvolver uma Feira na qual fosse possível apresentar “cases de sucesso, experiências já desenvolvidas” sejam ligadas a empresas, instituições de ensino ou na área pública. Foi esse o primeiro pensamento do empresário e presidente do Sindilojas na época, Marco Aurélio Ferreira, quando idealizou a 1ª TEC-E-INOVA, ocorrida no ano de 2007.
Hoje em sua 5ª edição, a feira sempre traz os assuntos tecnologia, empreendendorismo e inovação interligados. No evento deste ano, o foco se deu na integração entre as entidades realizadoras e as potencialidades locais.
Um diferencial desta edição é a apresentação de dias temáticos voltados às áreas das engenharias, saúde e gestão, com as palestras e oficinas, ministradas por profissionais de cada área, que caracterizam todas as edições do evento. Por meio de fotos, áudios gravados em formato de entrevista e depoimentos colhidos durante a 5ª edição da Tec-e-inova, buscamos trazer o significado e objetivo da feira como evento concretizado no município de Ijuí.

Por Lahís Welter e Marizandra Rutilli

sábado, 27 de agosto de 2011

O jogo começou

Comunicação Social forma mais dez publicitários, jornalistas e relações públicas



As cartas estão na mesa. O Curso de Comunicação Social da Unijuí jogou os dados mais uma vez e no sábado, 13 de agosto, mais dez comunicólogos entraram na partida. Em cerimônia no Salão de Atos lotado, publicitários, jornalistas e relações públicas escolheram suas estratégias e fizeram suas apostas e este foi o contexto escolhido para o evento, cartas e fichas decoraram a cerimônia. “Temos as cartas na manga é hora de usar as melhores estratégias e mostrar que estamos aptos a ganhar”, as palavras da oradora Cristina Cezimbra norteiam os novos profissionais da área de comunicação.

Os publicitários Anderson Zarth, Carolina Pederiva, Naiara Back, Guilherme Girardi, Keyla Rockenbach e Luciene Ferrari; os jornalistas Cristina Cezimbra, Kátia Casagrande e Ramone Pacheco; e a relações públicas Fernanda Schemmer iniciaram o jogo nessa cerimônia de emoções, alegrias, saudades, esperança e muita expectativa como explica a agora jornalista Ramone: “A faculdade foi um jogo maravilhoso, onde tivemos afinidade com inúmeras pessoas, que compartilharam conosco suas jogadas mais preciosas. As fichas, cartadas, vitórias e derrotas de todas as partidas desses cinco anos e meio estarão sempre comigo, pois tudo o que aconteceu nesse período, me ensinou a jogar cautelosamente. Este jogo terminou, mas com ele, um jogo de apostas muito mais altas está começando, onde cada participante será o responsável direto por suas jogadas e deve utilizar da melhor maneira possível as cartas que leva na manga”. (confira o depoimento na íntegra)

Os anseios não foram apenas dos estudantes. A paraninfa da turma, Melissa Gressler também sentiu esse momento como uma despedida: “A formatura teve uma emoção especial por conta do meu afastamento da universidade. Compartilho com os formandos das mesmas angústias de quem encerra uma fase para dar início a outra. Mas creio que é um momento em que a confiança deve ser superior aos medos, e foi isso que quis transmitir
no meu discurso: que hoje é tempo de voar... é tempo de romper com as barreiras, com as ideias fixas, soltar as amarras que nos prendem à zona de conforto e seguir rumo ao futuro. Nos lançar em direção aos desafios profissionais e pessoais”, afirma Melissa com as palavras de seu discurso. (depoimento na integra)

A emoção era visível em todos os formandos, o sentimento da dúvida e da expectativa invadiram o Salão de Atos na cerimônia que encerra o período de graduação desses novos profissionais. “A formatura é uma cerimônia singela que faz parte de tudo o que eu vivi, alguns não acham importante, outros nem sequer se importam, mas pra mim teve grande significado. A sensação de formada, de adulta, parece estranha, mas é um estranhamento muito bom”, afirma a publicitária Naiara Back. (depoimento na integra)

A colação de grau ocorreu junto à turma de formandos do Curso de Design Gráfico e Design do Produto e os festejos seguiram para o baile dos formandos na sede social da Sociedade Ginástica Ijuí, com uma festa que durou até o amanhecer.



Os primeiros tweets depois de formados:
















quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Santo Ângelo realiza Festival de Dança

Por: Kassieli de Mello, Gislaine Windmöller e Daniele Santos




Foto de Fernando Gomes
 
          Na capital missioneira o mês de agosto começou com a amostra do talento de bailarinos e coreógrafos vindos de todo o estado. Mais de 90 coreografias foram apresentadas no Palco do Teatro Municipal Antônio Sepp, no Festival de Dança de Santo Ângelo, entre os dias 4 e 6. Um dos destaques da noite de abertura, pela beleza e pelo trabalho de inclusão social, foi a apresentação do Grupo Giro Livre, com bailarinos cadeirantes.
           Durante o Festival, foram classificados os três primeiros lugares em cada modalidade de competição, além da escolha dos melhores bailarinos do Festival. O evento serve para divulgar novos talentos e o trabalho dos dançarinos. A ideia também é incentivar a formação de novos grupos de variados estilos: ballet clássico, dança contemporânea, dança folclórica, dança moderna contemporânea, dança de rua, jazz, estilo livre, duo livre, solo, entre outras. 
          Para a professora de dança Mariel Dias o evento mostra a evolução da dança. “Vendo os dançarinos que se apresentaram neste festival percebemos evolução em todos os sentidos. A dança não é somente coreografia, mas também conjunto, ritmo e dedicação, aspectos indispensáveis em qualquer estilo”, afirmou a professora. O Festival tem produção e realização do bailarino santoangelense Douglas Ravadielli, juntamente com a Prefeitura de Santo Ângelo, através da Secretaria de Cultura.

Giro Livre

O grupo existente há sete anos é composto por quatro bailarinos cadeirantes e sete bailarinas andantes, tendo como principal objetivo a inclusão através da dança. O grupo experimental de dança Giro Livre é resultado da parceria entre a Associação Santanense do Deficiente Físico e a Lampert Centro de Danças, da cidade Santana do Livramento. O grupo trabalha com todos os estilos de danças e busca ir além dos limites, sempre pesquisando exercícios novos e realizáveis.


Assista a apresentação do Grupo Giro Livre:



Confira o blog do evento: santoangeloemdanca.blogspot.com

Saiba mais sobre o Grupo de Dança Giro Livre: http://www.assandef.com.br/