Total de visualizações de página

Páginas

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Namorar é bom, mas...

Um dia feliz para alguns e triste para outros. O que acontece no dia 12 de junho?
Nesta data tão especial, ou não, em que as floriculturas não fecham ao meio dia e ficam abertas depois das seis, você é obrigado a pagar uma fortuna por um buquê de flores, sendo que um dia antes estava pela metade do preço, sem contar que você deve chegar cedo, senão sobrarão apenas rosas murchas e com espinhos. Outros que faturam também são os estúdios fotográficos, época em que os pedidos de produtos com fotos do casal entram em alta: são travesseiros, almofadas, camisetas, porta-retratos, chinelos, chaveiros, canecas e até camisolas. O ursinho de pelúcia é um dos personagens mais originais desta data, principalmente aqueles que falam “Te amo!” e que após alguns meses  a pilha termina e você acha melhor não trocar.
Com certeza você reservou uma mesa em um dos melhores restaurantes da cidade na esperança de comer algo diferente e no final chega à conclusão que deveria ter ficado com a pizza de frango com catupiry e strogonoff. Ah! Uma dica: não se empolgue com o vinho, ele poderá te dar sono e acabar com a sua “festinha”, lembrando que quem pretende ir ao motel, é bom ir cedo, pois o local não aceita reservas para esta data.
Prepare-se para gastar todo seu salário, ou parte dele, no presente e na lingerie. Mas pense bem antes de parcelar o presente (super caro) em 10 vezes, pois o namoro pode acabar após dois meses e você ainda terá 8 prestações para pagar. Ganhar chocolate é algo muito bom, mas com certeza você vai se arrepender no outro dia quando perceber que engordou alguns quilinhos.
É claro que todos estes aspectos foram friamente analisados, mas passar o dia dos namorados ao lado de quem a gente gosta não tem preço, vale a pena! Aproveite!


Tatiane Moura, Katiuze Nonemacher.

O jornalista que faz tudo

Podemos definir o jornalista do século XXI indiscutivelmente como um faz tudo. E vale lembrar, que o jornalista faz tudo é muito cobrado e tem uma responsabilidade enorme nas mãos. Mas será que só nas mãos? Claro que não! A responsabilidade está nas mãos, na ponta dos dedos, na garganta, nos olhos, nos ouvidos... Mais de um de seus sentidos humanos está envolvido nessa aventura diária.
O jornalista “faz tudo” tem que se virar em vários ao mesmo tempo, carregar uma mochila nas costas, com máquina fotográfica, gravador, microfone e câmera. Sem falar da presença indispensável de um notebook, caso o fato permita um post imediato. Ele tem que ser capaz de captar imagens e de editá-las, escrever e enviar o mais rápido possível o resultado final para a redação.
Sua curiosidade e talento para a comunicação se aliam às novas mídias por ele utilizadas, tornando-o um profissional multimídia. Ele conhece um pouco de todas as áreas, procura estar informado a respeito das novidades, quando você descobre a existência de novas ferramentas ele já as utiliza há muito tempo. O jornalista multimídia propicia inúmeras formas de acessar a informação, por meio de som, áudio, vídeo e fotos, com o intuito de comunicar-se com o receptor e integrá-lo do que acontece no seu mundo.
Se o jornalista que você conhece não se parece com este, ele não é deste século, talvez de um século passado, mas que precisa urgentemente se atualizar. A sociedade mudou e precisamos acompanhar seus avanços, não só os tecnológicos, como também os de conduta. O mundo precisa, portanto, que os profissionais sejam receptivos às mudanças, para continuar movimentando todas as esferas. Para o jornalista, hoje, o sucesso vem acompanhado de outro nome: multimídia.

Andressa Streicher e Kassieli de Mello

Perspectivas da primeira funcionária da Usina de Ideias



Fabiana do Prado, formada em Comunicação Social – Jornalismo, pela Unijuí, revela suas ideias para a nova configuração da Usina
Quando acadêmica, fez estágio na Usina de Ideias?
Não fiz estágio na Usina, mas participava de atividades realizadas pela agência: inscrevi-me para ser monitora quando eram realizadas gincanas e colaborei na organização de alguns eventos. Costumava visitar a Usina com frequência e trocar ideias com os estagiários. Sempre que estava no campus, dava um jeito de dar uma passadinha para conversar com o pessoal que trabalhava lá. Gosto muito desse ambiente e essa convivência que tive com a Usina durante a academia está sendo importante nessa nova etapa.

Como você se vê sendo a primeira pessoa contratada para fazer parte da reformulação da Usina?
É uma grande responsabilidade. Para chegar até aqui tive que passar por uma seleção. Primeiro uma prova, com cerca de 20 concorrentes, em que consegui o primeiro lugar. Mas isso não era tudo, pois o principal era a entrevista. Nessa etapa, havia mais cinco pessoas concorrendo comigo. Quando veio o resultado, fiquei muito feliz. Sou a primeira a ocupar esse cargo, e é algo novo, por isso preciso abrir o caminho, explorar, encontrar alternativas, e isso é muito estimulante.

Quais suas expectativas?
A Usina tem uma ótima proposta. Estamos em um processo de reformulação, com algumas ideias em mente e executando alguns projetos, mas logo estaremos realizando grandes trabalhos. Espero ter uma ótima equipe para trabalhar quando estivermos em ritmo acelerado.

Você tem alguma ideia ou proposta de atividade a ser encaminhada ao curso de Comunicação Social, que gostaria que fosse posta em prática na Usina?
Tenho ideias, sim. Algumas delas já compartilhei com a professora Marcia, coordenadora da Usina, e estamos vendo a melhor forma de colocá-las em prática. O principal objetivo é aproximar os alunos dos projetos da agência. Planejamos uma atração para ser colocada no ar no próximo semestre na TV a cabo de Ijuí, em que os alunos das turmas de telejornalismo possam fazer uma produção jornalística. Além disso, temos algumas ideias para tornar mais efetiva a participação dos alunos no blog da Usina, como uma forma de aproximá-los da produção na mídia digital.

(Jaíse Schumann, Jaqueline Peripolli, Deisi Fabrim, Guilherme Sebastiany)

A produção científica da Unijuí em destaque

Deisi,Andressa,Kassieli e Daniele
As produções científicas da Unijuí serão alvo de reportagens especiais. Com a orientação do professor Márcio Granez a turma de Jornalismo especializado do Curso de Comunicação Social-Jornalismo irá desenvolver uma serie de matérias visando à divulgação dos trabalhos que estão em andamento. Este trabalho contara com o apoio da Coordenadoria de Marketing, que fará a seleção das matérias que serão publicadas no jornal on line “Comunica”.
Os diversos departamentos da Unijuí foram informados do trabalho que será desenvolvido por meio de Ofício, a fim de facilitar o acesso dos alunos em suas dependências. Os acadêmicos receberam informações da Coordenadoria de Marketing em palestra ministrada pela jornalista Marilise Bindé. A lista dos diversos trabalhos de pesquisas aprovados foi distribuída para conhecimento e posterior escolha dos temas.
A aluna Kassieli de Mello escolheu o Projeto “Planejamento Estratégico nos COREDES do RS” para trabalhar e ressaltou a grande relevância desse trabalho. “Por meio das matérias  podemos tomar conhecimento dos demais projetos desenvolvidos na universidade, explorando outras áreas, e ao mesmo tempo, levar este conhecimento aos demais acadêmicos da Unijuí”. Andressa Streicher vai interagir com os Professores e bolsistas do DETEC para buscar informações do projeto “Certificação de edificações do ponto de vista da sustentabilidade, que envolve a construção civil em si e o envolvimento nos cuidados com o meio ambiente durante as construções.”
É uma grande oportunidade que o público da Unijuí tem de conhecer a produção científica dos seus integrantes. “Para os alunos de jornalismo é uma atividade muito instigante e prazerosa, já que vamos à busca de informações sobre projetos das mais diversas áreas, teremos a oportunidade de sanar nossa curiosidade e dúvidas sobre os temas dos projetos e depois poder transmitir este conhecimento para outros, além disso, a conversa com vários professores, visitação a laboratórios, agregando conhecimentos diversificados à nossa bagagem cultural”, ressalta Deisi Fabrim que vai escrever sobre o projeto “Marketing Pessoal e Gestão de Carreira: um estudo com acadêmicos do curso de Administração da UNIJUÍ.”

domingo, 22 de maio de 2011

Reforma política, direito juvenil e consumidores na Semana Jurídica da Unijuí

Durante cinco dias, a Semana Jurídica da Unijuí envolveu alunos e a comunidade acadêmica nos campi Ijuí, Santa Rosa e Três Passos. De 16 a 20 maio, o curso de Direito da universidade promoveu momentos de debates sobre assuntos relacionados à reforma política, direito juvenil e direitos dos consumidores.
Por ser um assunto em destaque no cenário político nacional, a reforma política foi o tema da palestra de abertura do evento, ministrada pelos deputados federais Elvino Bohn Gass e Jerônimo Goergen. O Salão de Atos do campus Ijuí ficou lotado para o debate entre as autoridades e os estudantes.
E assim foi durante a realização de Semana Jurídica. Dia após dia, as palestras e debates nos campi da Unijuí mostraram uma participação expressiva dos alunos. Os assuntos discutidos devem, agora, se tornar produções de sala de aula, como mais uma forma de auxiliar na formação dos estudantes da área do Direito.
Esta foi a trigésima edição do evento. No começo das atividades, dia 16, o coordenador do Núcleo de Extensão, Eventos e Serviços do DEJ, a Semana Jurídica, Sergio Pires, em entrevista ao portal Comunica, comentou que a Semana Jurídica é uma atividade consagrada: “É um momento de reflexão da comunidade jurídica interna da Unijuí e canal de contato com a comunidade externa”.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Semana Jurídica discute venda virtual de produtos

Em tempos nos quais a internet facilita inúmeras atividades do ser humano, a relação virtual entre consumidor e fornecedor foi um dos temas abordados pelo palestrante Felipe Kirchner, defensor público na Comarca de Porto Alegre, assessor da Defensoria Pública Geral e dirigente do Núcleo de Defesa do Consumidor e Tutelas Coletivas.

A palestra ministrada por Felipe, “A proteção coletiva do consumidor”, na noite de 18 de maio, no Salão de Atos da Unijuí, integrou a programação da XXX Semana Jurídica, promovida pelo Departamento de Estudos Jurídicos da Unijuí de 16 a 20 de maio, com eventos nos campus de Ijuí, Santa Rosa e Três Passos.


Para o defensor público, no caso dos fornecedores, se por um lado as compras virtuais podem fazer com que mais pessoas – e dos mais variados locais – tenham acesso aos produtos, por outro lado a exigência e as cobranças do consumidor também aumentam. E isto pode trazer riscos para o fornecedor. “Há consumidores que utilizam as próprias mídias sociais, como o YouTube, para fazer reclamações sobre produtos. Anteriormente, o fornecedor não gastaria com aquela reclamação, nem se preocuparia; hoje, ele acaba tendo de pagar muito mais para retirar aquela má propaganda do ar do que se tivesse ressarcido o consumidor já no início”, ressaltou.

Sobre a venda de produtos pirateados, Felipe Kirchner reforçou a importância de defender o consumidor que é lesado com este tipo de compra. Na sua avaliação, ao lutar pelos direitos do consumidor, o defensor público também acabará defendendo os próprios bons fornecedores, os leais. “Quando defendemos o consumidor nestas situações, estamos coibindo o exercício do mau fornecedor, do fornecedor que não paga tributos, que vende produtos piratas”, destacou o palestrante.

No entanto, em meio a todas estas ressalvas sobre a relação entre fornecedor e consumidor, Felipe fez questão de lembrar que um não se mantém sem o outro: “Mesmo que defendamos o consumidor, não podemos perder a dimensão de que o consumidor depende do fornecedor e o fornecedor depende do consumidor. Atuando em nome do consumidor, também precisamos vislumbrar o interesse do fornecedor”.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

O papel do jornalista

A principal ferramenta de trabalho do jornalista é a linguagem, adequada aos diferentes suportes, sejam impressos, eletrônicos ou digitais. O texto ganha vida na mão de quem o elabora, assim como as falas produzem narrativas na imaginação, e as imagens, fotográficas ou não,  registram os movimentos da realidade a nossa volta. O lugar do jornalista não é a redação, mas o lugar onde ele está ou onde o fato ou situação se desenvolve. Os conteúdos das mensagens jornalísticas não são apenas de um emissor para o conjunto de receptores, mas um processo em que o receptor pode ser elemento participativo do fazer jornalístico. Nestes tempos em que somos cada vez mais desterritorializados, sentimos que flui um jornalismo mais participativo e cidadão. Que neste caminho, reconheçamos sempre o valor da ética, da informação responsável e do direito à informação.

sábado, 14 de maio de 2011

A nova essência da Usina de Ideias

A nova essência da Usina de Ideias
Agência experimental do curso de Comunicação Social da Unijuí passa por nova configuração
Desde 1997 atuando como uma agência de comunicação integrada, a Usina de Ideias está passando por uma reformulação, que busca, entre outros objetivos, criar um núcleo para cada habilitação do curso: Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Públicas. “A Usina deixa de ser uma agência experimental de comunicação integrada para ser uma agencia experimental do curso de Comunicação Social, com as três habilitações integradas, porém, não necessariamente com projetos integrados de comunicação, mas sim projetos mais específicos”, revela a atual coordenadora da Usina, professora Márcia Formentini.
A Usina de Ideias, que antes possuía apenas estagiários e um professor coordenador, conta agora com um funcionário, formado em Comunicação Social e um docente orientador para cada uma das habilitações, além da possibilidade de contratação de estagiários das três áreas.
A reformulação do setor se deve também à modificação do currículo acadêmico do curso. “Passamos a ter um currículo mais específico, com ênfases dentro das habilitações”, comenta Márcia.
Além de atender os demais setores da Unijuí e o público externo, a Usina de Ideias atenderá as necessidades do curso de Comunicação Social, como um suporte para componentes curriculares que utilizam métodos práticos de ensino.

Funcionário – Por meio de um concurso seletivo, foi contratada uma funcionária para atuar na Usina de Ideias. A recém formada Fabiana Sanchez do Prado terá o trabalho de gestar a agência junto ao curso de Comunicação Social, com os alunos e os demais laboratórios (áudio, vídeo e fotografia).
Márcia explica que esta profissional irá planejar as atividades da Usina, como por exemplo, o contato com os clientes, uma vez que terá tempo de envolvimento maior que os dos professores orientadores, se dedicando somente às atividades da Usina.

Confira o blog da Usina, no endereço http://www.usinacomunica.wordpress.com/



Texto: Deisi Fabrim, Guilherme Sebastiany, Jaíse Schumann e Jaqueline Peripolli

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Espaço de aprendizagem

Este blog nasce no componente curricular Jornalismo Digital, Habilitação Jornalismo: Ênfase em Produção Multimídia, do Curso de Comunicação Social da Unijuí. É, portanto, um espaço de aprendizagem  para os futuros jornalistas exercitarem a prática do jornalismo digital, a partir dos fatos relativos ao contexto em que estão inseridos. Acreditamos que a ética, a responsabilidade e o compromisso com a informação possam pautar as rotinas deste trabalho.

Curso de Comunicação Social da Unijuí recebe jornalista da Zero Hora

Marlise Brenol
Foto: Mateus A. Tamiozzo
No dia 5 de maio, a jornalista Marlise Brenol, do grupo RBS, esteve reunida com acadêmicos, professores e egressos do curso de comunicação social da Unijuí em evento que comemorava os 47 anos do jornal Zero Hora, “Jornalismo em Pauta”.
Editora há quatro anos da versão digital do sexto maior jornal em circulação paga no Brasil, Marlise Brenol começou sua fala com a seguinte afirmação: “O Zero Hora tem 47 anos de trajetória no Rio Grande do Sul, nossos leitores estão espalhados por todo o país e precisamos acompanhá-los – qual a melhor forma de fazer isso? Usando a internet.”
A palestra ocorreu de forma dinâmica, em tom de conversa. A jornalista falou sobre as novas linguagens, o engajamento na produção de conteúdos e a conexão com as redes sociais – tão presentes no dia a dia. Ela respondeu os questionamentos do público e dos internautas que participaram através do twitter.
A rede social  foi o meio usado por alunos de jornalismo da Unijuí para fazer cobertura ao vivo do evento. Simultaneamente, outras palestras com jornalistas do Zero Hora aconteciam em diferentes universidades do estado e também tiveram cobertura ao vivo, postadas no blog do Editor.
A jornalista contou sobre sua experiência e sobre o posicionamento do jornal Zero Hora em fatos atuais. Como exemplo, citou a divulgação da morte de Bin Laden. Ela destacou pontos importantes no fazer jornalístico atual, dizendo que “a tendência é cada vez mais profissionais multimídia. Estes profissionais utilizam mídias sociais e tradicionais em uma comunicação integrada”.
Além disso, Marlise convidou todos os acadêmicos de jornalismo para participarem da promoção “Primeira Pauta”, do Zero Hora.
Sala lotada para palestra de Marlise Brenol



Texto: Gislaine Windmöller, Kassieli de Mello, Daniele Santos, Andressa Streicher

Grêmio perde a chance da disputa pelo Tri na Libertadores

video


O Grêmio está fora da Libertadores. A tarefa de vencer o Universidad Católica por 2 a 0 ou por um gol de diferença a partir de 3 a 2 no Chile não foi alcançada. A equipe da casa venceu com um gol de Mirosevic no segundo tempo. Não adiantou apelar para a imortalidade, pedir a superação do time tricolor cheio de desfalques em campo. O placar de 1 a 0 leva os chilenos para as quartas de final.
A primeira boa chegada tricolor foi aos 10 minutos, com um cruzamento de Douglas pelo lado direito que encontrou Júnior Viçosa bem colocado na área. Mas o atacante não conseguiu alcançar a bola para o cabeceio.
No segundo tempo o jogo era morno. Chances de ataques bloqueadas pelas defesas, passes errados, oportunidades de bola parada desperdiçadas. Até que, aos 35, Eluchans arrancou um “uuuhhh” no bar de Ijuí, onde acompanhamos os jogos do Internacional e Grêmio, pela Libertadores. Do meio-campo, ele arriscou em direção ao gol. A bola passou perto, e foi pela linha de fundo.
Aos 41, Mirosevic, que entrou no segundo tempo, recebeu lançamento de Silva e cabeceou sem chances para Marcelo Grohe. Com esse placar, o Grêmio já não via mais possibilidades de seguir na competição. Os três minutos de acréscimo da arbitragem não seriam suficientes para uma façanha.
O Grêmio, sem vencer fora de casa nesta Libertadores, volta para Porto Alegre eliminado nas oitavas de final e se foca na final do Gauchão, contra o Inter, com o primeiro jogo marcado para o próximo domingo, no Beira-Rio.
A indignação do torcedor gremista também foi expressada, através de Guilherme Maggioni. Entrevistado minutos antes do gol do Universidad Católica, em um bar local onde os torcedores colorados e gremistas assistiram aos jogos. “O jogo não acabou ainda, está zero a zero. Mas espero que faça, dois ainda. Estou tão nervoso que não consigo nem olhar”, diz Maggioni minutos antes do fim do jogo. E ainda parecia prever o Gre-nal do último domingo (08/05): “Freguês sempre foi (o Internacional) em final de Gaúchão. Espero que a história se repita”.
Com a despedida, o Grêmio se concentra na decisão do Gauchão neste domingo, 15.

Comunicação Social da Unijuí participa do Intercom Sul 2011




Entre os dias 26 e 28 de maio ocorre o sétimo Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul na Universidade Estadual de Londrina, no Paraná. São seis congressos anuais da área com o selo Intercom, entre eles, o Intercom Sul, cujo tema nesse ano  discute“Quem tem medo da pesquisa empírica?”. Durante o evento são debatidos tópicos em Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade, Rádio, Televisão, Cinema, Políticas Públicas de Comunicação, Produção Editorial e de Conteúdo para Mídias Digitais, entre outros.
O Intercom é dividido em três categorias. A unijuí inscreveu um trabalho em Divisão Temática, sete no Intercom Junior e uma fotografia na Expocom.

As divisões temáticas incluem trabalhos de graduados, mestres e doutores em comunicação que realizam um debate sobre a realidade da área. Nesse ano a professora Vera Raddatz vai apresentar “Reflexões sobre as TICs no processo de formação do conhecimento” na DT Interfaces Comunicacionais.

Na categoria do Intercom Junior a Unijuí inscreveu os seguintes artigos, “Pesquisa empírica em comunicação: a experiência do Projeto Fronteiras”, de Elenise Carneiro, Michelle Tjäder, Marília Munareto. Nessa categoria a Unijuí ainda apresenta ‘Pesquisa empírica na interface da comunicação e da educação’ por Vanessa Bruinsma e Patricia Kuhn; ‘A Influência de Séries e Sitcoms Anglo-Americanas na Conduta dos Adolescentes de Ijuí’ por Gisele Noll; ‘Telejornalismo: a Notícia sendo considerada como uma Mercadoria’ por Micheli Thiesen; ‘Publicidade e Aids: análise dos comerciais veiculados pela mídia eletrônica’ por Diogo Ferreira; ‘O impacto da mídia televisiva na educação das crianças’ por Rafaela Constância Hening; e ainda ‘Teoria da recepção e as reportagens sobre as falhas do Enem’ por Patricia Kuhn. Esse artigo é resultado da análise de reportagens sobre as falhas do Enem em 2010 em dois meios de comunicação. O estudo dialoga com a Teoria da Recepção e discute sua relação com a abordagem do assunto nos meios. 'Para a realização desse trabalho realizei uma análise em cima da matéria veiculada no Bom Dia Brasil, do dia 08 de novembro e a matéria publicada na Veja, do dia 17 de novembro de 2010", explica Patricia.
Paralelo ao Intercom Sul ocorre também a Expocom. A Exposição de Pesquisa Experimental em Comunicação é um prêmio destinado aos melhores trabalhos produzidos por alunos de graduação. A Unijuí nesse ano teve a fotografia ‘Pés de Valsa’ classificada na categoria Fotografia Jornalística, na modalidade Jornalismo. A foto da aluna Patricia Kuhn concorrerá com outras três a melhor da região sul nessa categoria.

A estudante desenvolveu o trabalho na Expoijuí/Fenadi 2010 na disciplina de Fotojornalismo do curso de Comunicação Social. Patricia explica que foi um trabalho no qual buscou o olhar criativo do fotógrafo. “A fotografia tem papel fundamental na produção jornalística impressa e também online. Apesar do caráter informativo percebe-se que há uma necessidade de estímulo à criatividade nas fotografias atuais. O diferente, o detalhe, o instante, me motivou e deve servir de estímulo aos profissionais para a busca de um novo olhar sobre a fotografia jornalística”.

Os finalistas da Expocom serão conhecidos no último dia do evento e irão posteriormente concorrer no Intercom Nacional com os finalistas dos outros congressos regionais. O intercom Nacional acontece em Refice, nos dias 2 a 6 de setembro.

Colorados e gremistas têm mais dois Gre-Nais pelo Gauchão 2011

Mesmo com o jogo transmitido em TV aberta, algo que ajuda a manter parte dos espectadores em suas casas, o público que se reúne em estabelecimentos comerciais para assistir às partidas de seu time manteve o costume ao acompanhar o Gre-Nal do dia 1° de maio, jogo que decidiu o título da Taça Farroupilha, equivalente ao segundo turno do Gauchão 2011.

Em Panambi, os tradicionais redutos de colorados e gremistas receberam um bom número de torcedores. O Cachorrão do Alemão, ponto de encontro dos gremistas na cidade durante os jogos, manifestava grande euforia com a banda da Geral panambiense do Grêmio cantando com entusiasmo. Entre os cânticos entoados, é claro, estavam os de provocação ao Inter. Já no Bar do Tuco, reduto colorado no município, não houve cantoria da banda da Torcida Popular de Panambi, mas a confiança na vitória também era grande por parte dos torcedores. “Amanhã, a manchete no jornal: ‘Grêmio vence por 0 a 3’”, divertiu-se um colorado, quando o jogo já estava 1 a 0 para o Internacional.

Opções dos técnicos
A não-escalação do jovem atacante Leandro entre os titulares de Renato Portaluppi desagradou aos amigos gremistas William Perine, 16 anos, e Ezequiel Dill Martins, 17, estudantes, que assistiam ao jogo no Cachorrão do Alemão.
“O Renato deveria ter iniciado com o Leandro no lugar do Borges. Na verdade, o Borges tinha de ter ido embora junto com o Carlos Alberto”, enfatizou Ezequiel, referindo-se ao atleta dispensado pelo Grêmio há poucos dias.

Renato Portaluppi optou por iniciar o jogo com uma formação mais defensiva, um 3-6-1, diferente das anteriores, e foi assim que retirou Leandro do time titular para esta partida, deixando Borges sozinho no ataque. Aos 23 minutos do primeiro tempo, saiu o gol do Inter, com Leandro Damião – curiosamente, logo depois do gol, Renato colocou Leandro em campo. O excesso de zelo por parte do treinador gremista no time titular mandado a campo foi criticado pelo estudante William. “Quem muito se defende acaba tomando. Gre-Nal precisa ser jogado para cima”, avaliou, após o gol colorado.

No Bar do Tuco, o colorado Alexandre Martins dos Santos, 32 anos, gostava do que estava vendo. Com 1 a 0 no placar para o Inter, afirmou que a escalação para o jogo tinha sido a ideal, na sua constatação.


Paulo Roberto Falcão escalou o Inter no tradicional 4-4-2. No ataque, um centroavante, Leandro Damião, e um jogador que atua mais aberto pelos lados do campo, Oscar. Estava dando certo, mas o metalúrgico Alexandre considerava o 1 a 0 um tanto perigoso. “Está legal assim, mas o Inter pode atacar mais. Seria bom fazer mais um gol no primeiro tempo, para encaminhar a vitória. Depois, no segundo tempo, dá para fazer mais uns três”, idealizou, otimista.

Condizendo com a opinião de Alexandre, o Inter atacou mais, pressionou, mas o primeiro tempo acabou sem o desejado segundo gol colorado. Em boa parte do segundo tempo, o desenho da partida foi praticamente o mesmo – pressão do Inter e o Grêmio se segurando. Mas a expulsão do volante argentino Guiñazu, do Inter, aos 24 do segundo tempo, alterou a história do jogo. O Grêmio passou a acreditar mais nos seus ataques, e o gol de empate, que levou a decisão para os pênaltis, veio aos 42 minutos, com Júnior Viçosa.

Infelizmente para Alexandre, a vitória do Inter não veio com cinco gols no tempo normal, mas o torcedor assistiu ao seu time vencer o Grêmio na disputa por pênaltis e comemorar o título da Taça Farroupilha.

Cada torcida com uma conquista, mas só uma delas terá o título maior

Depois da vitória, passeata colorada em Panambi – mesmo assim, gremistas que transitavam de carro naquele momento não hesitaram em balançar para fora do veículo camisetas ou bandeiras do Grêmio. No dia 9 de março, os gremistas comemoraram a conquista da Taça Piratini, o primeiro turno do Gauchão. No dia 1° de maio, os colorados saíram às ruas e celebraram o título da Taça Farroupilha. No dia 15 de maio, data do segundo e último Gre-Nal da grande final do Campeonato Gaúcho 2011, vamos saber qual será a torcida que poderá comemorar a maior das conquistas deste Gauchão.



Termina o sonho da América TRIvermelha




Eram quase 19h e os bares do município de Ijuí já começavam a ficar cheios para assistir ao jogo decisivo que, como esperavam os colorados, confirmaria a presença do Internacional na próxima fase da Libertadores. O adversário: o Peñarol, que tinha conseguido apenas um empate sem gols em casa.
Com alguns gremistas infiltrados de forma tímida na torcida colorada, esperando pelo jogo do Grêmio, teve início o jogo que mudaria a história  do Inter na busca do Tri pela Libertadores da América. Bastando um 0 X 0, Oscar acende a esperança colorada com o primeiro gol do Inter no 1º minuto de jogo. A torcida colorada manteve-se ansiosa e não menos preocupada com a atuação do time do Peñarol, mas com certeza não esperava o que estava por vir.
Aos 15 segundos do 2º tempo o time do Peñarol deixou tudo igual no Beira Rio, deixando a torcida colorada sem reação com o que havia acabado de assistir. Algumas comemorações tímidas e disfarçadas de torcedores gremistas também foram notadas, mas logo silenciaram. A trágica história do fim do sonho da América Trivermelha tinha dado seu primeiro passo. Oliveira amplia a vantagem para o Peñarol fazendo 2 a 1. O empate já não servia mais para o Inter e apenas a vitória por virada levaria o colorado à próxima fase da Libertadores.
Abalados, jogadores e torcida seguiram até o final do jogo parecendo não acreditar no resultado. Chegou ao fim o sonho de ultrapassar o rival gaúcho e conquistar o tricampeonato pela Libertadores da América.

Torcedores, com a palavra
Maiquel Kelm, torcedor do Internacional, demonstrou sua insatisfação com o jogo: “Não gostei do jogo. Falcão mexeu mal no início do jogo. Depois que o Peñarol tomou o gol ele tirou o Oscar e o Andrezinho, que eram os meias de criação, deixou só o D’Alessandro. Colocou Ricardo Goulart, que até pouco tempo atrás jogava no B. O jogador do Peñarol acertou um gol que nunca mais vai fazer. Infelizmente o Inter está fora e vamos jogar o Gauchão e o Brasileiro esse ano”.
Talita Mazzola

Internacional vence Taça Farroupilha nos pênaltis

Com muito nervosismo o trio de amigos ijuienses Jéssica, Lucas e Jonas acompanhou a disputa pela Taça Farroupilha em casa. “Apesar de gostarmos de estar entre mais torcedores, optamos por ficar em casa, pois com certeza os ânimos estarão alterados hoje”, comentou Lucas.  Sendo Jéssica a única gremista do trio, o sofrimento foi maior aos 12 minutos de jogo vendo o Internacional melhor em campo e Leandro Damião abrindo o placar fazendo 1 X 0 para o Internacional.  Entretanto, já no final do segundo tempo foi a vez de Lucas e Jonas mudarem a expressão após a expulsão de Guiñazu e Júnior Viçosa igualar o placar.
Com o tempo normal terminando igual para os dois lados, a disputa pela Taça Farroupilha ficou para os pênaltis. Antes de a escalação ser confirmada, Jéssica demonstrou sua preocupação em não ter o atual ídolo do time, o goleiro Victor, em campo por uma contusão. “Se tivéssemos o Victor em campo ficaria mais tranqüila com os pênaltis, mas a atuação dos nossos jogadores está ruim e estou preocupada que o Renato escale o Borges para bater”, afirmou.
Confirmando o pressentimento da torcedora, o técnico Renato Gaúcho, escalou Borges para ser o primeiro batedor gremista e ele, como esperado por Jéssica, errou o primeiro pênalti do jogo. Fernando seguiu o companheiro de equipe batendo o pênalti nas mãos do goleiro Renan. D'Alessandro e Leandro Damião colocaram o Inter em vantagem. Rochemback descontou para o Tricolor. Kléber também marcou na terceira cobrança do Inter. Adilson também marcou para o Grêmio. Mas Rodrigo decretou a vitória colorada por 4 a 2 nas penalidades.
Com o Internacional confirmando-se campeão da Taça Farroupilha, a expectativa torna-se grande para a final do Gaúchão que reserva dois GreNais históricos. “Estou ansioso para os próximos jogos, mas acho que o Grêmio não tem qualidade técnica para superar o Inter e com certeza seremos os campeões gaúchos”, enfatiza o confiante Lucas. A decisão do campeonato gaúcho se decidirá em dois jogos, cuja final será no dia 15 de maio, no estádio Olímpico.

Talita Mazzola

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Surgimento da Usina de Ideias

O projeto da Usina de Ideias já estava pensado desde o início do curso, em 1995. Dois anos depois o projeto da agência, que esteve embasado em visitas a agências experimentais de cursos de Comunicação Social de outras universidades do Estado, como a Famecos-Puc e a UFSM, foi então implantado.

Confira o depoimento da professora Nilse Maldaner, uma das idealizadoras da Usina, sobre a história da Agência Experimental.








Entrevista Usina de Ideias by Deisi Fabrim

Atualizado em 23 de agosto de 2011.

(Deisi Fabrim, Guilherme Sebastiany, Jaíse Schumann e Jaqueline Peripolli)